Palestras - Palestra de abril 2016
Palestra de abril 2016

PALESTRA: Nossa verdadeira missão: Formar elementos úteis a Deus! Quem busca sinceramente servir nunca encontra motivos para se arrepender.
 
Boa noite  a todos!
 
Dentro do ensinamento que foi lido, o que devemos fazer  para cuidar com sinceridade das pessoas que nos procuram?
Muitas pessoas dizem que querem cuidar, mas não o fazem por exclusiva falta de vontade de doar seu tempo, vivem apenas discursando, falando bonito, mas na hora de Ser, se omite.
 
Não podemos ser missionários preocupados em ficar vendo mensagens no facebook ou whatsaap, enquanto pessoas  buscam ser acolhidas, receber um amparo espiritual. Observem as pessoas que agem assim no servir, verão o nível de messiânicos que se tornaram, não tem vontade alguma de salvar, de servir. Mesmo nós, Ministros e Reverendos, se não tomarmos cuidado com a presunção, arrogância, orgulho e vaidade, vamos passar vergonha, mas na    o é de todo ruim, pois quem sabe assim, aprenderemos  o que é a missão de ser ministro ..
 
Quem nos escolheu ministro não foi o homem, foi Meishu Sama.  Em casos graves, temos que por vezes varar a noite ministrando Johrei, acompanhando a pessoa em purificação. Mas hoje, muitos ministram o básico.  Como sacerdotes, precisamos abandonar tudo e ficar dia e noite cuidando desse caso até a pessoa melhorar, como vamos mostrar a fé para os membros se muitos de nós mesmos  não a tem?
 
Precisamos compreender a atual situação que vive o mundo! Têm pessoas que acham que moram no Paraíso que não há sofrimento. Ficam presos num mundo fantasioso, seu mundo, não sofrem por nada, não tem compreensão da sua missão. Chegou a hora de todas as igrejas de doutrina messiânica tomar outro rumo.
 
Se as igrejas ligadas a Meishu Sama  não formarem líderes de verdade vão ficar para trás, o mundo espiritual está mudando rapidamente, numa velocidade maior, e muitos ainda estão deitados em berço esplêndido. Precisamos Acordar!!!!
 
Através da postura dos líderes das igrejas, os servidores e missionários também precisam mudar urgentemente, precisam formar elementos fortes no amor de salvação, ter compromisso de salvação. Meishu Sama precisa que a gente abra a visão dos messiânicos para que cada um cumpra a sua verdadeira missão. Vou falar por exemplo da postura de um messiânico, que era Ministro, mas com postura de Reverendo. Ele  formou verdadeiros elementos humanos voltados para Obra Divina, depois que ele faleceu nunca mais surgiu alguém com a fé que ele teve.
 
Ele falava que  Ministro tem que dedicar não para salvar o próximo, mas para ser salvo, porque na verdade se ele não cumprir a sua verdadeira missão de formar elementos úteis ele é que irá para o inferno.
Então de uma forma egoísta de se ver as coisas ele queria dizer: vá dedicar e pare de reclamar, de perder tempo, de falar mal dos outros, de utilizar o tempo de Deus para não fazer nada. Ele falava e ria...
 
Toda vez que uma unidade estava para abrir ele ia  de carro, porque sabia que tinha que cumprir a missão. Ele largava tudo, mas não deixava de cumprir sua missão e sempre que viajava levava um seminarista com ele.
Interessante que ao saber de como ele dedicava, identifiquei imediatamente como oriento a dedicação aqui. Quando saímos em missão, sempre levo além de ministros, servidores, para observarem como dedico, para nunca errarem no servir. Quando viajam comigo, observem minha postura, como trato as pessoas, excluir totalmente a vaidade, presunção e arrogância. Nós estamos indo para ensinar. Mas só ensinamos aprendendo.
 
Precisamos focar nos ensinamentos, sair da zona de conforto e estudar com afinco,  se não elevar o espírito não tem como Meishu Sama enviar mais pessoas.  Gostaria de oferecer um poema a este Messiânico, que honrou o nome de Meishu Sama  e honrou a missão atribuída a ele, seu nome Wakatsu Tateyama. É um poema da poetiza chilena Gabriela Mistral:
 
Toda natureza é um desejo de serviço. Serve a nuvem, serve o vento, serve o sulco. Onde houver uma árvore para plantar, planta-a tu. Onde houver um erro para corrigir, corrige-o tu. Onde houver uma tarefa que todos recusem, aceita-a tu.
 
Sê quem tira: a pedra do caminho, o ódio dos corações e as dificuldades dos problemas.
 
Há a alegria de ser sincero e de ser justo. Há, porém, mais do que isso, a imensa alegria de servir. Como seria triste o mundo se tudo já estivesse feito, se não houvesse uma roseira para plantar, uma iniciativa para lutar!
 
Não te seduzam as obras fáceis. É belo fazer tudo que os outros se recusam a executar.
 
Não cometas, porém, o erro de pensar que só tem merecimento executar as grandes obras. Há pequenos préstimos que são bons serviços: enfeitar uma mesa. Arrumar uns livros. Pentear uma criança.
Aquele é quem critica, este é quem destrói; sê tu quem serve.
 
Servir não é próprio dos seres inferiores: Deus, que nos dá fruto e luz, serve.
Poderia chamar-se: O Servidor.
E tem os Seus olhos fixos nas nossas mãos e pergunta-nos todos os dias:
Serviste hoje?
 
Na busca para entender melhor, dentro do que Meishu Sama nos ensina, alinhei uma linha de pensamento espírita aos ensinamentos, queria dividir com os senhores. No servir, a vaidade é uma brecha moral que infelicita bastante a humanidade. A luta por posições de realce ocupa muito tempo das criaturas. Mesmo quem não tem vocação para encargos elevados, freqüentemente os procura.
 
E não o faz por espírito de servir, mas para aparecer. Valoriza-se muito a vitória aparente no mundo, mesmo quando conquistada à custa da própria paz.
 
Mas será que isso compensa? Não valerá mais a pena viver humildemente, mas com dignidade? Ocupar postos de destaque traz grande responsabilidade. Para quem não está preparado, a derrocada moral pode ser grande. Satisfazer a vaidade é um grande perigo.
 
A tentação de evidenciar a própria grandeza pode fazer um homem cair no ridículo. Há pouca coisa mais lamentável do que alguém despreparado desempenhando um grande papel. A ausência de discernimento pode levar a ver virtudes onde elas não existem. A aceitar conselhos de quem não merece confiança. A tomar decisões sob falsas perspectivas. A vaidade manifesta-se sob muitas formas. Está presente na vontade de dizer sempre a última palavra.
 
Por relevante que seja o argumento do outro, o vaidoso não consegue dar-lhe o devido valor. Imagina que, se o fizer, diminuirá seu próprio brilho.
O vaidoso tem dificuldade em admitir quando erra, mesmo sendo isso evidente.
 
Ele não consegue perceber a grandeza que existe em admitir um equívoco. Que é mais louvável retificar o próprio caminho do que persistir no erro.
O vaidoso considera muito importante a própria personalidade.
 
Que ninguém se preocupa muito com sua pessoa e com sua pretensa importância.
Que, ao tentar brilhar cada vez mais, freqüentemente cai no ridículo e se torna alvo de chacota. Analise seu caráter e reflita se você não possui excesso de vaidade.
Você reconhece facilmente seus erros?
Elogia as virtudes e os sucessos alheios?
Quando se filia a uma causa, o faz por ideal ou para aparecer?
 
Admite quando a razão está com os outros? Caso se reconheça vaidoso, tome cuidado com seus atos. Esforce-se por perceber o seu real papel do mundo.
Reflita que a vaidade é um peso a ser carregado ao longo do tempo.
Simplifique sua vida, valorize os outros, admita os próprios equívocos.
Ao abrir mão da vaidade, seu viver se tornará muito mais leve e prazeroso.
Cristo disse: Quem quiser ser o maior, seja este o servo de todos.
Saber-se útil é essencial para um viver equilibrado. Por isso, convém desenvolver o hábito de servir. Não apenas em dias de arrependimento ou reparação.
Em todas as circunstâncias, o servir e a gratidão é o antídoto do mal.
Talvez você tenha caído na trama de terríveis enganos e sonhe em se reabilitar.Sendo assim, não desperdice a riqueza das horas, em inúteis lamentações.
Levante-se e sirva nos próprios lugares onde espalhou a sombra do erro.
Com essa atitude humilde, granjeará apoio infalível ao reajuste. Quem sabe você enfrente duros problemas em sua vida particular. Nessa hipótese, livre-se do fardo inútil da aflição sem proveito.
Reanime-se e sirva, no quadro de provações e dificuldades em que se situa.
 
Nessa situação, convém se prevenir do micróbio da inveja. Movimente-se e sirva no anonimato. A conduta digna e o devotamento funcionarão como luminosa escada rumo ao Alto.
É provável que você sofra o assalto de ferozes calúnias. Esqueça a vingança, que seria aviltamento e baixeza. Silencie e sirva, olvidando ofensas. Ao eleger o perdão e a atividade no bem como estandartes, você forjará um invencível escudo contra os dardos da injúria.
 
Quem o vir trabalhador e nobre não conseguirá acreditar na maledicência. Pode ser que você suporte o assédio de Espíritos inferiores. Antigos desafetos de outras vidas podem estar a persegui-lo, no desejo de vê-lo recair em velhos vícios. Abstenha-se da queixa sem utilidade.
Resista e sirva, dedicando-se ao socorro dos que choram em dificuldades maiores. A dedicação à beneficência terminará por conquistar a simpatia de seus próprios adversários.
Ao vê-lo incansável no serviço ao próximo, eles se envergonharão de desejar seu mal. A preguiça é ópio das trevas. Os que não servem transformam-se facilmente em focos de tédio e ociosidade, revolta e desespero.
Tornam-se desequilibrados, pessimistas e ressentidos. Como prestam muita atenção nos próprios problemas, acham-se os mais desafortunados do mundo.
 
Também estão sempre dispostos a fiscalizar o comportamento alheio e a apontar falhas. Ao contrário, quem se dispõe a amparar raramente encontra tempo para criticar. Assim, servir é um imperativo de saúde física e espiritual. Para ser feliz e equilibrado, impõe-se adquirir esse saudável hábito.
Também um alerta aqueles que chamamos normalmente de ingratos. São aqueles que aqui chegaram rastejando, em frangalhos, receberam graças, mudaram de vida, mas não mudaram em essência. Se afastam com as mais tolas desculpas, mas no fundo escondem algo pior, que vive dentro de si: INGRATIDÃO A DEUS! Sim, estas pessoas vivem em eterna ingratidão, mas o maior medo que enfrentam, mesmo inconscientemente, é  receber uma cobrança da dívida espiritual com Deus. Infelizmente, quando esta chega, não há negociação. Tem que pagar. Por isso, quem deve paga e quem merece, recebe!!!
Quem busca sinceramente servir nunca encontra motivos para se arrepender.
Vamos acordar, servir com um amor jamais visto, servir no johrei, na gratidão, no encaminhamento. Chega de sermos cabides de ohikari, cabides de Jyosho, hora de levantar! A HORA SOOU!!!!!
 
Um trecho de um recado recebido estes dias: “ O Paraíso no mundo espiritual existe há anos e de agora em diante ocorrerá o alinhamento no mundo material, para que este se concretize em Paraíso Terrestre. No entanto,  as pessoas precisam acordar do sono eterno que tanto falam, sono este que deixou a humanidade cega, surda e muda.  Segundo as orientações que os espíritos elevados receberam de Meishu Sama, os missionários ligados a ele terão que ser muito mais rigorosos consigo mesmo, pararem de cobrar os membros e serem verdadeiros exemplos, pois chegou o momento da grande purificação. Pessoas que julgam e falam mal dos outros, lamuriam, contestam Deus, começarão a ter graves doenças na boca.  Outras que amam ouvir fofocas, julgamentos, etc.,  terão graves doenças no ouvido, etc. Cada grande sofrimento causado em outra pessoa retornará vezes 10 para quem os praticou! Acabou a era da mentira, falsidade, egoísmo, etc. Por isso os ministros terão que mudar radicalmente suas posturas.”
 
Boa Missão a todos e que  Deus e Meishu Sama nos abençoem e nos protejam. Que Eles voltem para nós as suas faces e nos concedam a paz, saúde e prosperidade!!!
                                                Reverendo Dorgival     Hokan
Newsletter
Cadastre seu e-mail e receba novidades exclusivas.
Nome: 
E-mail: 
Cidade: 
8778 Informe o
código ao lado:
 
 
Fone:
55 (11) 4227-4401 / 2341-2508
E-mail:
info@artedojohrei.org.br
Chat:
Fale Conosco
 
 
ASSOCIAÇÃO RELIGIOSA ARTE DO JOHREI
Rua Ibitirama - 629, Vila Prudente. São Paulo/SP.
55 (11) 4227-4401 - 2341-2508
info@artedojohrei.org.br
 
Sobre
Mais
- Arte do Johrei - Johrei
- Meishu Sama - Anima
- Divindades - Ensinamentos
- Donativos - Palestras
- Programação - Experiência de Fé
- Revista Makoto - Unidades
O SITE ARTE DO JOHREI - 2009/2014 - Todos os direitos reservados.